América Mineiro   Atlético Mineiro   Atlético Paranaense   Bahia   Botafogo   Ceará   Chapecoense   Corinthians   Cruzeiro   Flamengo   Fluminense   Grêmio   Internacional   Palmeiras   Paraná   Santos   São Paulo   Sport   Vasco   Vitória   Atlético Goianiense   Avaí   Boa Esporte   Brasil - RS   Coritiba   CRB   Criciuma   CSA   Figueirense   Goias   Guarani   Juventude   Londrina   Oeste   Paysandu   Ponte Preta   Sampaio Corrêa   Santa Cruz   São Bento (SBN)   Vila Nova  

Não me pregunte porque torço pelo Flamengo

 
Governador do Estado de Rondônia Confúcio Moura
17/01/2018 22h34, Blog do Confúcio Moura
 
20 Governador do estado de Rondônia (Foto: Rondoniadinamica)
Governador do estado de Rondônia (Foto: Rondoniadinamica)

Eu não sei.

Veio da infância, quando ainda fazia o curso primário (fundamental de hoje), sem nada para me inspirar, a não ser a Radio Globo, cujas ondas chegavam ao sertão de Goiás.

E aí a gente ficava torcendo pelos times do Rio de Janeiro. Sem nenhuma relação de intimidade com nenhum deles. A não ser estas coisas inexplicáveis, como escolas de samba, partidos políticos e religião.

Eu mesmo, nunca tive habilidades para o futebol. Que é uma atividade preciosa, cujo talento vem de complexos reflexos nervosos e musculares, força, repetição e muita disciplina. Por fim, tratei de me colocar no meu lugar. Mesmo lá onde nasci, passei a  devotar a um novo e necessário perfil, que foi o de torcedor, de roupeiro do time, lavar as camisas e calções do Guarani.

Certo dia, num jogo com muita rivalidade local, machucaram dois titulares e terminou que não tinha mais ninguém para entrar. Tio Totó que era o Presidente do Guarani e acumulava também a função de técnico, com muita moral, ninguém o contestava, ficou num enrosco do diabo, teve que me escalar.

O adversário era o  Juventus, dirigido pelo Jarbas, forasteiro de Minas Gerais, que trabalhava como técnico de explosivos na Mina de Ouro da cidade. O “buraco do ouro” ficava ali bem perto.

Jarbas, cheio de manhas, tinha “comprado” alguns dos nossos melhores jogadores, como o Afonso, meu primo, bom goleiro. Deu pra ele uma camisa novinha. Para José de Ambrosina, um par de chuteiras. E assim outros “contratados”, por valiosos presentes para nossa realidade, que o nosso time não tinha condição de cobrir as ofertas.

Quem era Jarbas para nos humilhar tanto?

Eu entrei ainda no primeiro tempo, em ótimas condições, o nosso time ganhando por 2 x 0. Pois bem! Não tardou o Zé de Ambrosina desembestar com a bola. Lá vinha ele, como um capeta de uniforme; passou por dois numa velocidade de cavalo campeiro. Encostei nele, e ele correndo a mil. Não tive outra opção, senão tentar jogar a bola para o escanteio, mas deu tudo errado, e acabei fazendo um gol contra, sensacional.

Cantídio, nosso goleiro, me olhou com tanta raiva, que fiquei de orelhas caídas, e mesmo assim, por não ter outro jogador, continuei em campo. E ainda no primeiro tempo, marquei o meu segundo gol contra, sempre perseguindo o endiabrado centroavante, Zé de Ambrosina.

Continuei torcendo pelo Guarani, mas me conformei em ser o roupeiro com muito orgulho.  Também me foi confiado, ser o escriturário do time – carregar os livros e fazer as atas. Por infelicidade, naquele inesquecível jogo,  o Guarani perdeu por 3×2. Como jogador, fiquei marcado pelo pecado original. Nunca mais fui escalado.

Até hoje não fui a nenhum estádio ver o Flamengo jogar, mas, gosto do nome do time.  Ele entrou na minha alma, sem nenhum motivo. Todas essas coisas que a gente segue por seguir, briga por brigar e veste a camisa por vestir.

Sou torcedor do nome (Flamengo).  Gosto da garra do Paquetá, do Guerreiro, do Diego, gosto de ver o time vencer, mas, logo me conformo com as derrotas. Sou um torcedor esquisito.

 

/comentários

O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

/notícias relacionadas

• Camisa 10 de Ariquemes e Rio Crespo, fizeram um excelente amistoso
• Faleceu Jair da Banca, ex-jogador de futebol do Rio Branco de Ariquemes
• Garotos de Ariquemes são aprovados pelo Clube de Regatas Flamengo-RJ

Compartilhe você também:

Contato: Jornalista Alexandre Jabá - DRT 1357 Telefone/Whatsapp: (69) 98487-3042 ou pelo e-mail: alexandrejaba1@gmail.com

© 2018 - Todos os direitos estão reservados - Não me pregunte porque torço pelo Flamengo - Plantão Esportivo - A notícia em 1º lugar

Quem somos | Política de Privacidade | Fale conosco