Athletico Paranaense   Atlético Goianiense   Atlético Mineiro   Bahia   Botafogo   Bragantino   Ceará   Corinthians   Coritiba   Flamengo   Fluminense   Fortaleza   Goias   Grêmio   Internacional   Palmeiras   Santos   São Paulo   Sport   Vasco   América Mineiro   Avaí   Botafogo-SP   Brasil - RS   Chapecoense   Confiança   CRB   Cruzeiro   CSA   Cuiabá   Figueirense   Guarani   Juventude   Náutico   Oeste   Operário-PR   Paraná   Ponte Preta   Sampaio Corrêa   Vitória  

Rondoniense conta o que o Flamengo pode esperar de Domenèc Torrent

 
Héber foi treinado pelo espanhol no New York City e diz: " A bola é que tem que chegar até você".
29/07/2020 14h48, Daniel Mundim e Felipe Schmidt Rio de Janeiro
 
20 Rondoniense Héber foi artilheiro do New York FC na MLS de 2019 com Dome Torrent, com 15 gols em 23 jogos . (Foto: Divulgação/New York City FC)
Rondoniense Héber foi artilheiro do New York FC na MLS de 2019 com Dome Torrent, com 15 gols em 23 jogos . (Foto: Divulgação/New York City FC)

Até aqui você sabe: o escolhido pelo Flamengo para substituir Jorge Jesus é Domènec Torrent, de 58 anos, auxiliar de Guardiola por 11 anos. Mas o que o catalão, que deve assinar com a equipe rubro-negra até o fim de 2021, tem a oferecer como técnico? Quem conta é o atacante brasileiro Héber, treinado por ele no New York City FC.

“Ele sempre falava: a bola é que tem que chegar para você”, disse o jogador, ao ge.
Pode não parecer, mas nessa curta frase de Héber reside uma grande diferença entre o estilo de Torrent e o praticado por Jorge Jesus. Mais precisamente, no jeito de atacar. O espanhol, com suas raízes fincadas no Barcelona, na filosofia de Cruyff e, obviamente, no modelo de Pep Guardiola, é adepto do Jogo de Posição. O português, por sua vez, prefere mobilidade total.

O torcedor do Flamengo deve acostumar-se a chamá-lo mais de Dome Torrent. Ou só Dome. Nascido em Santa Coloma de Farners, pequena cidade catalã, ele chegou a ser jogador. Foi meia por pequenas equipes na região de Girona. Mas logo se formou como treinador e, depois de trabalhar em times das divisões inferiores, conheceu Guardiola em 2007.

Com Pep, Torrent iniciou uma parceria que rendeu 23 títulos em 11 anos, entre eles duas taças da Liga dos Campeões e sete ligas nacionais. O portal “The Athletic” escreve que Domènec é fluente em cinco línguas: espanhol, catalão, inglês, alemão e... Guardiola. Em julho de 2018, assumiu o New York City FC em seu primeiro desafio como protagonista.

 

Domènec Torrent, em preleção no New York City FC: time foi líder da Conferência Leste na temporada regular da MLS em 2019 (Foto: Divulgação/New York City FC)
Domènec Torrent, em preleção no New York City FC: time foi líder da Conferência Leste na temporada regular da MLS em 2019 (Foto: Divulgação/New York City FC)

 

A trajetória de Dome como técnico profissional tem um ano e meio. Ele deixou o NYCFC após a temporada de 2019, depois de levá-lo à sua melhor campanha na Major League Soccer (MLS), na semifinal da Conferência Leste. Com um jogo posicional e de muita posse de bola.

“Eu tocava na bola no primeiro tempo cinco, seis vezes, mas eram três chances de gols. Ajudava muito a equipe”, relembra Héber.

– Ele falava pra eu ficar no meio dos zagueiros, e tinha jogo que mandava eu recuar, dependia muito do oponente. Ele estudava o oponente, mandava eu recuar entre os volantes da outra equipe, dar espaço para os ponta fazerem as diagonais – completa.

O atacante brasileiro, de 28 anos, chegou ao time de Nova York em 2019. Fez 15 gols em 23 jogos na MLS e foi o artilheiro da equipe na liga do ano passado. O time, que faz parte do grupo que é dono do Manchester City, foi líder da Conferência Leste com 64 pontos em 34 jogos e eliminada na semifinal para o Toronto, em jogo único, com derrota por 2 a 1.

Domènec Torrent no New York City FC:
60 jogos
29 vitórias
15 empates
16 derrotas
104 gols marcados
76 gols sofridos
56,6% de aproveitamento

A diferença para Jesus

Dome Torrent e Jorge Jesus não se diferem no apreço pela posse de bola. Nem pelo apego ao jogo ofensivo. Mas pensam diferente sobre como alcançar tais objetivos. O português prefere que suas equipes tenham mobilidade constante. O espanhol guarda posições.

Mas como assim? Torrent segue a linha de Pep Guardiola, que por sua vez também é adotada por treinadores como Marcelo Bielsa e Jorge Sampaoli. Primeiro ganha-se o espaço. Héber explica como era no New York City FC: primeiro ganha-se o espaço. Depois vem a transição com a bola. E assim ele viu um time muito agressivo.

 

/comentários

O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

/notícias relacionadas

• Trio Rondoniense na abertura da Série B
• Atleta campeã estadual de futsal de Rondônia é contratada pelo Grêmio
• Goleiro Bruno fala com exclusividade ao programa PLANTÃO ESPORTIVO nesta quarta feira

Compartilhe você também:

Contato: Jornalista Alexandre Jabá - DRT 1357 Telefone/Whatsapp: (69) 98487-3042 ou pelo e-mail: alexandrejaba1@hotmail.com

© 2020 - Todos os direitos estão reservados - Rondoniense conta o que o Flamengo pode esperar de Domenèc Torrent - Plantão Esportivo - A notícia em 1º lugar

Quem somos | Política de Privacidade | Fale conosco